Louis Armstrong: o ícone do Jazz

Louis Daniel Armstrong é originário da maravilhosa cidade de New Orleans, que recebeu um artigo especial no mês passado. Aliás, essa dupla – New Orleans e Louis Armstrong – só poderia dar certo, não é mesmo?

Ele nasceu em 1901 e faleceu em Nova York, em 1971. Foi cantor, trompetista, cornetista e saxofonista, mas é sobretudo conhecido por sua voz grave e seus solos de trompete.

Assim como B.B. King, Louis Armstrong nasceu em uma família muito pobre. Houve uma hora em que ele levantou voo e a ascensão foi imensa. Conheça a história dele:

Infância e adolescência, cheias de pedras

Seu pai abandonou a família quando ele ainda era criança. Sua mãe o deixou com sua tia, tio e a sua avó, pois fazia bicos como prostituta para pagar as contas.

Louis Armstrong também fazia seus bicos como sapateiro ambulante e entregador de jornais, mas o que ganhava não era suficiente para ajudar a mãe a sair da prostituição.

O garoto, então, passou a entrar disfarçado em bares perto de sua casa, para ouvir e ver os cantores. Armstrong também tinha contato com a música na escola onde estudava, e de onde saiu com 11 anos. Depois da saída, ele resolveu formar um quarteto que tocava na rua para ganhar alguns trocados.

Nesses tempos, Louis Armstrong já tinha ganhado um trompete, presente de uma família imigrante judaica e lituana que cuidava dele quando a mãe estava fora. Aqui, cabe um parêntese: Louis Armstrong sempre foi muito grato a essa família e, por conta disso, usou uma Estrela de David durante toda a sua vida.

Como ele se metia em muitas encrencas, ele acabava sempre indo para uma instituição local que acolhia os menores abandonados.

Essa instituição tinha uma banda, e foi lá que Armstrong desenvolveu a sua maneira de tocar trompete. O professor de música da instituição, Peter Davis, começou a dar instrução musical a Armstrong e, eventualmente, dava ao garoto o posto de líder da banda.

A banda tocava nos arredores de New Orleans e o menino de 13 anos começou a chamar atenção pelo modo como tocava trompete.

Aos 14 anos, Armstrong saiu da instituição e conseguiu seu primeiro emprego noturno, em uma casa de New Orleans chamada Henry’s Ponce. Ele também tinha um emprego diurno, no qual queimava carvão em uma fábrica.

Nessa época, Louis Armstrong frequentava outros bares e ouvia, sempre que podia, os músicos mais velhos. Bunk Johnson, Buddy Petit e Joe “King” Oliver inspiraram muito o jovem. King Oliver, inclusive, atuou como mentor e figura paternal de Armstrong.

Ele começou a tocar em uma banda bem conceituada, chamada Fate Marable. Com eles, Armstrong viajou em um dos famosos barcos a vapor pelo rio Mississippi. Mais tarde, o artista descreveria essa época como “indo para a universidade”.

Em 1919, Joe Oliver deciciu ir para o norte do país e renunciou à sua posição na banda Kid Ory. Armstrong o substituiu.

Louis Armstrong teve 4 esposas. Nesta foto, ele está com Lucille, que foi sua quarta e última esposa

Levantando voo

Durante as suas experiência de “riverboat” – isto é, tocando nos barcos a vapor que subiam e desciam o rio Mississippi –, a música de Armstrong amadureceu. Aos 20 anos, ele já lia partituras, tocava longos solos de trompete e cantava em suas performances.

Em 1922, ele foi para Chicago, para se juntar à banda de King Oliver, nomeada Creole Jazz Band. Nesta cidade do norte, pela primeira vez, Armstrong morou em um apartamento próprio, com banheiros privados, e não precisou fazer bicos em bares. O que ele ganhava com a banda de Joe era suficiente para viver.

Sua carreira entrava em ascensão e ele era desafiado a tocar em bares por Chicago. Sempre ganhava os desafios. Nessa época, ele ainda realizou as suas primeiras gravações, incluindo alguns solos, e casou-se com a pianista Lil Hardin Armstrong.

Lil encorajou Louis a criar um estilo próprio e a se diferenciar de King Oliver. A influência de Lil acabou determinando a relação entre Louis e Oliver, especialmente em questões salariais e de dinheiros adicionais, que Oliver afastava dele e dos outros membros da banda. Esta se desfez em 1924, e Armstrong foi convidado a ir tocar com uma orquestra em Nova York, a Fletcher Henderson Orchestra.

Foi uma experiência nova para o músico, mas durou apenas 1 ano. Em 1925, ele retornou a Chicago e assumiu que tocar com orquestra era mais limitado.

Ele, então, começou a fazer gravações com seu próprio nome e produziu grandes sucessos, como Potato Head Blues, Muggles e West End Blues. Estas gravações clássicas são, até hoje, grandes influências para os músicos de Jazz.

Armstrong estava no auge e podia desenvolver seu estilo pessoal como quisesse.

No entanto, ele foi afetado pela crise de 1929, assim como muitos outros músicos. King Oliver, por exemplo, fez algumas gravações que não tiveram nenhum sucesso. Armstrong foi para Los Angeles em busca de novas oportunidades. Tocou com uma banda lá, e até apareceu em seu primeiro filme, o “Ex-Flame” – ele apareceria em outros filmes ao longo de sua carreira.

Em 1931, retornou para Chicago, onde tocou com duas bandas. Foi relembrado pelo público e decidiu fazer uma turnê por quase todos os estados dos Estados Unidos.

Em março de 1934, Armstrong retornou para New Orleans, sua cidade natal, onde foi recebido como um herói.

Na década de 1940, e nas duas décadas seguintes, Armstrong faria uma média de 300 shows ao ano. Suas gravações batiam recordes de vendas, e ele passou a ser reconhecido como um ícone americano. Esse status causou polêmica, sobretudo nos anos 1950 e 1960, quando surgiu o movimento pelos direitos civis dos negros nos Estados Unidos.

Armstrong foi criticado por membros deste movimento, pois era bem-aceito pela sociedade branca, e parecia gostar disso. O músico se hospedava em hotéis reservados só para brancos e frequentava lugares – restaurantes e outros estabelecimentos públicos – onde os brancos eram, senão 100% do público, pelo menos a esmagadora maioria.

Assim Louis Armstrong viveu o resto de sua vida. Ele faleceu de ataque cardíaco, aos 69 anos. Tinha uma personalidade muito carismática, que é possível ver em seus vídeos.

Os hits de Louis Armstrong

What a Wonderful World, canção que está gravada na memória de todos na voz de Armstrong, foi gravada por ele em 1967.

Mas ele gravou muitos outros hits, inclusive canções francesas consagradas, como La Vie en Rose e C’est si Bon. Outros sucessos foram:

  • Georgia on my Mind
  • Hello Dolly
  • You’ll Never Walk Alone
  • We Have All The Time in The World
  • Nobody Knows The Troubles I’ve Seen

Clique aqui para escutar outros hits deste lendário artista que foi Louis Armstrong.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *